Dicas de uso: Métodos de Calibração para Sensores com PMX

Descrição

Este tutorial descreve vários métodos para calibrar sensores no PMX. Ao fazê-lo, os dados provenientes de diferentes processos de calibração são necessários. Calibrar, em geral, é entendido como a ligação entre um valor elétrico e um valor físico "valor do campo"  (por exemplo, mV / V) -> "valor de processo" (por exemplo, Newton). Para este exemplo em particular, um sensor de torque TB2/200N·m calibrado em acordo com a DIN 51309 é usado. É claro que estes métodos podem ser utilizados com qualquer tipo de sensor.

Os métodos de calibração ponto-a-ponto, tabular e por equações polinomiais e lineares apresentados aqui diferem principalmente em termos de incerteza e esforço. Especialmente o canal "polinomial" calculado introduzido com o firmware 2.02 permite gerar duas curvas diferentes para sinais de entrada positivos e negativos que são utilizados automaticamente, sem comutação manual. Isso é muito útil com sinais de torque de sentido horário e anti-horário ou forças de compressão e de tração, por exemplo.

Nota importante:

Para todos os métodos de escala, com a exceção da calibração ponto-a-ponto, o canal utilizado tem de ser definido como padrão.

As definições padrão são:

01. Ponto elétrico: 0,0000000        
02. Ponto elétrico: 1,0000000

01. Ponto físico: 0,0000000
02. Ponto físico: 1,0000000

Valor Zero: 0,0000000
Valor zero alvo: 0,0000000

Calibração ponto-a-ponto

O método "clássico" para uma escala de sensor rápida e efetiva é usar a calibração ponto-a-ponto. Uma linha característica linear é gerada que descreve a relação entre valores elétricos e físicos. A calibração ponto-a-ponto é feita diretamente nos ajustes de canal do sensor. Os dados a serem inseridos podem ser encontrados na folha de dados do sensor.

Tabulada

Muitos protocolos de calibração incluem uma tabela de valores que oferece a ligação entre unidade elétrica e física dando um número de diferentes pontos. Tal tabela é mostrada na imagem abaixo.

Crie um canal computacional no PMX e insira os valores do certificado de calibração. Inicie com os valores mais baixos (aqui: -200). Escolha o canal de medição correspondente como sinal de entrada.

Equação polinomial

Alguns protocolos de calibração também incluem equações de interpolação, além da tabulada. Crie um canal computacional "Polynomial" (polinômio) e insira os coeficientes do detuning S. Um segundo polinômio de entrada de valores negativos pode ser definido mudando o "Nbr of coefficients sets” (nº de ajustes de coeficientes) nos parâmetros. Isso se aplica principalmente para sinais de torque no sentido horário e anti-horário e é geralmente listado no protocolo de calibração. Os coeficientes A são utilizados para os sinais de entrada positivo; os coeficientes B para os sinais de entrada negativos. Escolha o canal de medição correspondente como sinal de entrada.

Equação linear

Além das equações polinomiais, equações lineares simples são muitas vezes dadas também no protocolo de calibração. Elas podem ser processadas de forma análoga com o canal computacional de polinômios "Polynomial".

Resumo

O gráfico abaixo mostra claramente que a interpolação com polinômios de 3ª ordem se aproxima mais do valor real. A incerteza da interpolação linear melhora com um aumento da gama de medição. O método mais preciso, porém, é a tabela de valores.

Observe:

A incerteza dos métodos individuais é altamente dependente da aplicação e não pode ser generalizada.

Atenção

Estes exemplos são apenas para fins ilustrativos. Eles não podem ser usados como base para qualquer tipo de reclamação quanto à garantia ou responsabilidade.

Fale Conosco Entre em contato com a HBM do Brasil para mais informações sobre produtos, sistemas, dúvidas técnicas e cotações.