Sensores OEM para a Indústria de Agricultura Sensores OEM para a Indústria de Agricultura | HBM

Conjuntos de sensores personalizados para OEMs de máquinas agrícolas

Os fabricantes de máquinas agrícolas estão incorporando uma quantidade cada vez maior de tecnologia avançada de sensores em seus equipamentos agrícolas de precisão. Nossos sensores personalizados estão liderando a vanguarda da inovação com sensores de strain gauge e eletrônicos de última geração para todos os tipos de equipamentos agrícolas.Os sensores para tratores e máquinas podem incluir sensores de força descendente, sensor personalizado de torque e força, sensores de prensa de rendimento de colheita, pinos de carga de tração, sensores de força da roda e compactação do solo e muito mais.

O desafio

“Até 2050, precisaremos produzir 60% mais alimentos (do que 2012) para alimentar uma população mundial de 9,3 bilhões”, escreveu José Graziano Da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura.

FONTE: www.un.org/en/chronicle/article/feeding-world-sustainably

Métodos anteriores de aumentar a produção de alimentos certamente foram bem-sucedidos: a produção de cereais, por exemplo, dobrou entre 1960 e 2000. Mas os métodos escolhidos durante esse período não eram sustentáveis. “Danos colaterais incluem degradação e desmatamento da terra, extração excessiva de águas subterrâneas, emissão de gases de efeito estufa, perda de biodiversidade e poluição por nitratos de corpos d'água”, observa a Organização para Agricultura e Alimentação (FAO).

O desafio, portanto, é encontrar maneiras sustentáveis de aumentar a produção agrícola usando técnicas que estejam mais em sintonia com os ecossistemas e minimizando o uso de insumos externos, como fertilizantes ou pesticidas.

A agricultura de precisão é um dos métodos que permite aos agricultores atender à crescente demanda mundial por alimentos. Ele usa tecnologias de detecção para coletar dados acionáveis de várias fontes. Analisar os dados e aplicar as percepções obtidas significa que os agricultores podem se adaptar às condições ambientais e usar os recursos com mais eficiência.

Os dados sobre insumos (sementes, fertilizantes, pesticidas, combustível e energia, água, etc.) podem ser combinados com dados precisos de localização GPS ou clima, para fornecer percepções acionáveis para uma tomada de decisão eficaz. Combinar essas análises e compará-las com dados sobre os resultados (rendimentos, qualidade da colheita, preço de mercado) permite que os agricultores pensem com mais detalhes e atuem com um nível significativamente mais alto de eficiência e eficácia.

Além de otimizar os rendimentos, a agricultura de precisão também permite que os agricultores minimizem os efeitos ambientais negativos:

  • reduzir as emissões de dióxido de carbono através de melhorias na eficiência energética e de combustível,
  • reduzir o óxido nitroso liberado do solo, otimizando o uso de fertilizantes nitrogenados,
  • reduzir o uso de fertilizantes químicos e pesticidas por aplicação precisa,
  • eliminar a depleção de nutrientes monitorando e gerenciando a saúde do solo,
  • controlar a compactação do solo minimizando o tráfego de equipamentos,
  • maximizar o uso eficiente da água.

Na prática, a agricultura de precisão requer uma combinação de máquinas equipadas com sensores; uma infraestrutura de coleta de dados; e equipamentos de processamento para dar sentido a tudo isso. Não surpreende, então, que os primeiros a adotar essas tecnologias foram os agronegócios com capital suficiente disponível para investir. As fazendas de grande escala que investiram precocemente na agricultura de precisão tiveram retornos consideráveis em termos de rendimento das colheitas.

À medida que as tecnologias se tornam mais difundidas, elas se tornam mais acessíveis. Fazendas menores agora também podem se beneficiar da agricultura de precisão, usando ferramentas incorporadas em smartphones, aplicações relevantes e maquinário de menor porte. Além disso, essas tecnologias estão contribuindo para soluções que vão além das fazendas, incluindo poluição, aquecimento global e conservação.

A primeira onda de inovação na agricultura de precisão colocou mais informações na cabine do trator, para que o motorista pudesse operar ferramentas - como arado, fertilizante, semeadora, espalhador de pesticidas e colheitadeira - de forma mais eficaz.

A segunda onda de inovação se concentrou na criação de loops de feedback entre as ferramentas automatizadas para que o papel do operador do trator fosse mais simples e eles pudessem concentrar sua atenção em um pequeno número de decisões realmente significativas. Em segundo plano, os sistemas automatizados coletam dados constantemente para fornecer novas percepções e melhorar a tomada de decisões.

De fato, em alguns veículos autônomos já existentes no mercado, pode não haver mais uma cabine onde o operador possa se sentar. Esse estágio de evolução é um grande divisor de águas. Em vez de ser um recurso limitante, o trabalhador agrícola qualificado agora se torna um multiplicador econômico, capaz de gerenciar vários robôs agrícolas automatizados simultaneamente.

Desenvolvimentos futuros na agricultura de precisão verão o aumento do uso de veículos agrícolas autônomos.- Isso será acompanhado por transmissão de dados sem fio aprimorada e aquisição de dados e veículos aéreos não tripulados e veículos terrestres não tripulados mais inteligentes e menores (UAVs e UGVs, respectivamente). Além de monitorar as condições da cultura e do solo, esses veículos menores também monitoram o status dos equipamentos agrícolas, permitindo que os agricultores melhorem os ciclos de manutenção e manutenção da máquina para melhorar o tempo de atividade.

O gerenciamento remoto das atividades agrícolas, por meio da automação usando sensores sem fio e a Internet das Coisas, é o novo horizonte na agricultura.  Mas não é reservado para as economias ricas ou para os maiores agronegócios. A tecnologia e as ideias permearão e se espalharão por uma indústria, à medida que a água penetra no solo.

As ondas iniciais de tecnologia foram produzidas pelos principais fabricantes que tinham os recursos de P&D para experimentar e a visão de criar novas abordagens, voltadas para as fazendas de grande escala que podiam investir nelas. Mas o futuro da agricultura de precisão será, sem dúvida, compartilhado com outros: com fabricantes de alto volume que desenvolvem soluções inteligentes para atender nichos globais; e com um grande número de fabricantes pequenos e inovadores, que criam dispositivos menores, a preços mais baixos, que atendem às necessidades dos menores agricultores. No mundo em desenvolvimento, relata a FAO, existem cerca de 500 milhões de pequenas fazendas produzindo mais de 80% dos alimentos do mundo. Esse é um mercado grande demais para empreendedores e inovadores ignorarem.


Solicite um orçamento

Pergunte ao Especialista da HBK

Favor enviar:


Faça sua pergunta

Pergunte ao Especialista da HBK

Favor enviar:


Faça sua pergunta

Green check mark Sua proposta personalizada

Green check mark Consultoria técnica gratuita

Green check mark Resposta rápida de nosso especialista